PARTILHE

CASO DE ESTUDO |NIGÉRIA: O RAPTO EM MASSA DE CRIANÇAS EM IDADE ESCOLAR

A 11 de Dezembro de 2020, combatentes do Boko Haram invadiram a Escola Governamental Secundária de Ciências em Kankara, raptando mais de 300 estudantes do sexo masculino. A organização terrorista reivindicou a responsabilidade pelo ataque citando a oposição do Boko Haram à educação ao estilo ocidental. A 18 de Dezembro, os militares nigerianos libertaram os estudantes raptados. O governador do estado Katsina da Nigéria, Aminu Masarithe, alegou que nenhum resgate tinha sido pago.

A 17 de Fevereiro de 2021, atiradores com uniformes militares entraram na Escola Governamental de Ciências Kagara, em Rafi, estado do Níger, raptando 27 pessoas, incluindo estudantes, professores e os seus familiares.[3] Foram libertados a 27 de Fevereiro.

A 26 de Fevereiro de 2021, cerca de 300 raparigas foram raptadas de um internato gerido pelo Governo na cidade de Jangebe. De acordo com fontes locais, "vieram em cerca de 20 motorizadas e levaram as raparigas raptadas para a floresta".[4] As raparigas foram libertadas a 2 de Março. O governador do estado de Zamfara, Bello Matawalle, recusou-se a pagar um resgate, mas mais tarde o presidente Buhari "admitiu que no passado os governos estaduais pagaram a raptores 'com dinheiro e veículos' e exortou-os a rever a política".[5]

O ataque mais recente, o terceiro rapto em massa de estudantes em três meses, eleva o número total de raptados a mais de 600 desde Dezembro de 2020.[6] As autoridades estatais afirmam que a motivação jihadista não é considerada como um elemento principal nos raptos. Segundo declarações, os ataques a escolas no noroeste "foram levados a cabo por 'bandidos', um termo vago para raptores, ladrões armados, ladrões de gado, pastores fulani e outras milícias armadas",[7] principalmente para obterem ganhos financeiros. No entanto, alguns observadores referem que a escalada dos raptos em massa indica uma cooperação entre militantes do Boko Haram e os fulani e que, de facto, estes ataques têm uma profunda componente religiosa.[8]  O sultão de Sokoto declarou: "Não se enganem, o rapto é um exemplo clássico dos fundamentos filosóficos do Boko Haram – que a educação ocidental é proibida. É por isso que os seus alvos estão sempre em internatos, especialmente escolas de ciências, consideradas ateias em termos de pedagogia".[9]

 

FONTES

[1] “Nigeria's Katsina school abduction: Boko Haram says it took the students”, BBC News, 15 de Dezembro de 2020, https://www.bbc.com/news/world-africa-55295701

[2] "Nigeria school abduction: Hundreds of girls released by gunmen", BBC News, 3 de Março de 2021, https://www.bbc.com/news/world-africa-56249626

[3] "Gunmen Attack School, Abduct Students, Others in Niger", Live TV News, 17 de Fevereiro de 2020, https://www.channelstv.com/2021/02/17/gunmen-attack-niger-school-kill-one-student-abduct-others/

[4] "Hundreds of schoolgirls abducted in Nigeria, government official says", CNN, 17 de Fevereiro de 2021, https://edition.cnn.com/2021/02/26/africa/schoolgirls-abducted-nigeria-intl/index.html

[5] "Nigeria school abduction: Hundreds of girls released by gunmen", op., cit.

[6] "Nigeria's school abductions: Why children are being targeted", BBC News, 2 de Março de 2021, https://www.bbc.com/news/world-africa-56212645

[7] Ibid.

[8] "More Nigerian Schoolgirls Kidnapped while a Christian Pastor Pleads for His Life", Family Research Council, 1 de Março de 2021, https://frcblog.com/2021/03/more-nigerian-schoolgirls-kidnapped-while-christian-pastor-pleads-his-life/

[9] Ibid.