PARTILHE

INFORMAÇÃO DE FUNDO |NACIONALISMO ÉTNICO-RELIGIOSO: MANIPULAR A PROCURA DE UMA IDENTIDADE COMUM

Juntamente com o totalitarismo comunista e o islamismo extremista, o nacionalismo religioso está entre as maiores ameaças à liberdade religiosa e à coexistência religiosa pacífica no nosso mundo de hoje. As minorias religiosas em inúmeros países – como a Índia, o Sri Lanka, o Paquistão, Mianmar, a Malásia, o Butão e o Nepal, entre outros – enfrentam cada vez mais uma grave marginalização e perseguição activa por parte de muitos dos seus próprios concidadãos, no meio de movimentos populistas de maioritarismo religioso em ascensão (ver relatórios dos países).

Num mundo cada vez mais moldado por uma cultura consumista global espiritualmente vazia, muitas pessoas estão sedentas de formas mais ricas e profundas de identidade e comunidade. O nacionalismo étnico-religioso é uma tentativa de proporcionar formas robustas de pertença num mundo sempre em transição. Este tipo de nacionalismo propõe que a identidade individual deriva em parte e é elevada pela pertença a uma grande nação definida por uma confluência única de religião, raça, língua e território. Estes movimentos parecem estar a ter o seu maior crescimento na Ásia. Como os relatórios dos países indicam, os movimentos nacionalistas étnico-religiosos estão a florescer em Mianmar e no Sri Lanka, bem como principalmente na Malásia malaia-muçulmana e no Bangladeche bengali-muçulmano.

O Partido Bharatiya Janata (BJP), partido do primeiro-ministro Narendra Modi que voltou ao poder com uma vitória esmagadora nas eleições parlamentares de 2019, estabeleceu um apelo renovado a um movimento de décadas de nacionalismo hindu. Este é o maior movimento de nacionalismo religioso do mundo e está centrado numa identidade essencialmente étnico-religiosa que goza do seu mais fervoroso apoio na conservadora "região das vacas" do centro e norte da Índia. Tal como em muitos países com fortes movimentos de nacionalismo religioso, o baluarte institucional do nacionalismo hindu é uma rede de elementos não estatais que goza de crescente impacto e influência entre a população indiana. Num forte indicador do seu crescente apelo de massas, o BJP com a sua filosofia hindu, que promove a criação de um poderoso estado hindu, ganhou quase 40% dos votos em 2019.[1]

Se a tendência acelerada para o nacionalismo étnico-religioso virulento não for travada ou abrandada, as consequências catastróficas são inevitáveis. Os muitos países asiáticos (mas também outros governos populistas do mundo) que estão sob o domínio do nacionalismo étnico-religioso estão a viver uma combinação de recuos democráticos e uma crescente repressão religiosa. Por exemplo, tal como indicado nos relatórios de país, democracias como a Índia, Mianmar e o Sri Lanka, que foram as mais profundamente moldadas pelo nacionalismo étnico-religioso, estão cada vez mais a tornar-se regimes autocráticos-democráticos "híbridos", combinando eleições regulares com severas restrições aos direitos constitucionais básicos, tais como a liberdade religiosa. O Paquistão é outro exemplo. Há muito tempo nas mãos de uma identidade religiosa-nacionalista armada, e durante algum tempo firmemente dentro da órbita da China, o Paquistão é um caso exemplar de uma "autocracia eleitoral" de maioria religiosa.

O que podemos estar agora a testemunhar é o que o estudioso do Sul da Ásia Farahnaz Ispahani denomina de "paquistanização" da Ásia,[2] na qual as identidades maioritárias exclusivistas unem forças com Estados cada vez mais autoritários para tornar permanente a visão de que as minorias religiosas são constituídas por cidadãos de segunda classe, se não mesmo privando-as ou destruindo-as por completo. O que permanece incerto é quantos mais países irão decidir que este tipo de regime representa um modelo político atractivo e viável. Mas o que é claro é que uma combinação de nacionalismo étnico-religioso e governação autoritária é profundamente incompatível com uma liberdade religiosa robusta para todos os cidadãos, independentemente do credo, casta ou raça.

 

FONTES

[1] "India election results 2019: Narendra Modi secures landslide win", BBC News, 23 de Maio de 2019, https://www.bbc.com/news/world-asia-india-48347081

[2] Dr. Farahnaz Ispahani, “Referring to concerns about the “Pakistanization” of the region of South Asia”, Religious Freedom Institute, 18 de Julho de 2019, https://twitter.com/RFInstitute/status/1151639626442035201