Menu
Menu

Síria em 2018

Número de projetos 2018
J
233
Project
applications
K
185
Funded
projects
Tipo dos projetos 2018
Responsável pelo projeto

Após oito anos de guerra, a Síria está literalmente derrubada. Quase não sobrou pedra sobre pedra no país. A situação da alma das pessoas está igualmente ruim. Centenas de milhares de mortos, milhões de refugiados e inúmeras pessoas muito traumatizadas são o preço pago pela violência inimaginável da guerra. A população está perto de um recomeço. A sobrevivência das pessoas depende em grande parte da ajuda de organizações de auxílio estrangeiras. Em 2018, a ACN novamente concedeu milhões em ajuda, principalmente em regiões onde vivem muitos cristãos.

Mais de 1,5 milhões de cristãos viviam na Síria antes da guerra; depois da guerra, o número caiu para cerca de 500.000 fiéis. A relativa prosperidade que muitos deles tinham obtido antes da guerra se foi. A maioria deles está preocupada em sobreviver. Nossa ajuda ocorre em acordo com os tomadores de decisão da igreja local. Afinal, os bispos e padres, assim como os diáconos e freiras nas paróquias, sabem melhor que ninguém quais famílias precisam mais de qual ajuda. Às vezes se trata de leite, às vezes de uma ajuda para pagar o aluguel, às vezes de medicamentos ou roupas.

A displaced family from Aleppo, which has been living for nearly three years under difficult conditions in Tartus, a city on the Syrian coast.
Família desalojada de Alepo, vivendo há quase três anos em condições difíceis em Tartus, na costa da Síria.

O arcebispo maronita de Damasco, Samir Nassar, é talvez quem melhor descreve a situação: “O povo da Síria não procura mais a liberdade. Ele procura o pão de cada dia, água, gás para cozinhar e alguns litros de combustível. Além disso, há a busca pelo irmão, a irmã, os pais ou os amigos perdidos – uma missão silenciosa, cheia de medo e esperança. Em um país em ruínas, encontrar um abrigo protegido para a família parece impossível, um sonho.”

» As maiores ruínas estão na alma das pessoas. «

Ajuda humanitária, fomento à educação e ajuda de reconstrução ficaram novamente bem no topo dos nossos planos para a Síria em 2018. A maior parte da ajuda foi para Alepo, Homs, Damasco, para as vilas do “Vale dos Cristãos” e para Tartus, onde vive a maioria dos cristãos.

The father of the martyr Makar Makar visits the grave of the martyr Krikor Ashnagelian at the Syrian-Armenian cemetery in Aleppo.
O pai do mártir Makar Makar visita o túmulo do mártir Krikor Ashnagelian no cemitério sírio-armênio em Alepo.

Alguns exemplos mostram o tamanho das dificuldades que ainda existem no país. Pacotes de alimentos foram distribuídos para 3.000 famílias com nossa ajuda. Também prestamos ajuda humanitária com um abrangente “programa de leite”, organizado para 800 famílias com crianças. Sob o lema “bom samaritano”, nossa ajuda também possibilitou criar uma iniciativa para tratar traumas de guerra. Para melhorar as perspectivas profissionais de jovens cristãos, fomentamos subvenções para 12.000 alunos escolares e universitários.

» Concentramos nossa ajuda nas áreas nas quais a maioria dos cristãos vive. «

Mas a reconstrução continua tendo prioridade: em 2018, por exemplo, 200 casas e apartamentos foram reformados com ajuda da ACN, recuperando proteção e segurança aos cristãos em sua terra natal. Este ano, mais 500 moradias serão recuperadas.

Ajuda de emergência para refugiados sírios no Líbano

Muitos cristãos sírios fugiram para o Líbano, juntando-se a parentes por medo de perseguição e violência. Mas para a maioria deles, essa é somente uma situação provisória de sobrevivência. A grande maioria quer voltar à sua terra natal o mais rápido possível, viver de seu trabalho e ajudar na reconstrução de seu país. Temos uma preocupação especial por esses fiéis. Por isso, em 2018, 59% do nosso orçamento para a Síria (cerca de 967.000 euros) foram só para ajuda de emergência para os refugiados no Líbano.

Vemos nossa ajuda de emergência também como investimento na reconstrução da comunidade cristã na Síria. Afinal, cada cristão que volta fortalece a união e a diversidade da Igreja no país. E essa união, por fim, ajuda todo o povo a obter uma nova confiança e um maior otimismo.

Sister Samia of the Sisters of the Sacred Hearts of Jesus and Mary in Homs playing football with one of the children of “Le Sénevé”, a centre that cares for 80 children with disabilities or autism..
Freira Samia, das irmãs do Sagrado Coração de Jesus e Maria em Homs, jogando futebol com uma das crianças de “Lé Senevé”, centro para atendimento de 80 pessoas com deficiência ou autismo.