Menu
Menu

Sri Lanka em 2019

Projetos solicitados em 2019 Projetos financiados em 2019
J
0
Project
applications
K
0
Funded
projects
Projetos financiados em 2019
Head of Section

Cerca de 70% dos 21 milhões de habitantes do Sri Lanka são budistas. Quase 13% são hindus, 10% muçulmanos e 7,4% cristãos, a maioria deles católicos. Até 2009, uma guerra civil assolou o país insular, o que deixou feridas profundas na sociedade. Em 2019, a Igreja local sofreu sobretudo com os ataques terroristas de islâmicos radicais. Apesar da violência, a Igreja local está trabalhando ativamente para a reconciliação das comunidades religiosas no país. A ACN a apoia com ajuda concreta a projetos.

Uma série de atentados suicidas em 2019 deixou uma marca sombria nas comunidades católicas do Sri Lanka. Os ataques ocorreram no domingo de Páscoa em duas igrejas católicas e uma protestante, e em três hotéis. O resultado terrível: mais de 250 mortos e 500 feridos. No momento dos ataques, a maioria das vítimas encontrava-se nas igrejas bem cheias onde se celebravam missas de Páscoa. Um grupo islâmico reivindicou a responsabilidade pelos ataques. O medo de novos ataques é grande e abalou profundamente as comunidades cristãs.

Imagem manchada com o sangue das vítimas na igreja São Sebastião em Katuwapitiya.
Imagem manchada com o sangue das vítimas na igreja São Sebastião em Katuwapitiya.

A Arquidiocese Católica de Colombo reagiu imediatamente após os ataques terroristas, com medidas de ajuda de emergência para os feridos e familiares dos mortos. No entanto, os sobreviventes traumatizados e em luto precisam de cuidados de longo prazo. Por isso, a Igreja gostaria de acompanhar as pessoas afetadas com terapia para trauma e aconselhamento pelo tempo que necessitarem.

As pessoas admiram o fato de os católicos atingidos pelo terror terem permanecido pacíficos.

Padre Claude Nonis

Principalmente as crianças que sobreviveram aos ataques precisam de ajuda para recuperar a confiança na vida. No ano do relatório, a ACN apoiou a Igreja com 82.000 euros para a formação de 300 conselheiros capazes de ajudar, de forma competente, as famílias afetadas.