Menu
Menu

Madagáscar em 2017

Number of projects in 2018
J
0
Project
applications
K
0
Funded
projects
Type of projects in 2018
Head of Section

Na quarta maior ilha do mundo, mais de três quartos da população vive em extrema pobreza. 15% da população são católicos. Atualmente, os fundamentalistas vindos do estrangeiro ameaçam islamizar o país. O seu ódio dirige-se também contra os católicos, sendo muitas instituições eclesiásticas alvo de vandalismo. Neste contexto, são urgentemente necessários esforços que visem a primeira evangelização e o apoio às novas gerações de padres.

Os ataques fundamentalistas e jihadistas constituem evidencias de conflitos de fe profundamente enraizados, dos quais os bispos nos dias de hoje e em todo o mundo se lamentam. Em Madagascar, foram compradas e queimadas inumeras Biblias, destruidas estatuas da Virgem Maria e roubados sinos de igrejas. Alem disso, a situacao torna-se ainda mais dramatica com a politica de imigracao do governo, porque atualmente e intensamente fomentada a entrada de muculmanos estrangeiros, especialmente vindos da Turquia.

» Muitas pessoas aqui nunca ouviram falar do Evangelho. «

Construcao de uma Igreja da Ordem das Carmelitas em Besimpona.
Construcao de uma Igreja da Ordem das Carmelitas em Besimpona.

Curso para sacerdotes em Roma

No sentido de reforcar a presenca da Igreja em Madagascar, apoiamos a formacao de seminaristas ao longo de varios anos. Em julho de 2017, todos os formadores dos seminarios foram enviados para um curso de cinco semanas junto dos Legionarios de Cristo em Roma. O curso tem por objetivo a reciclagem espiritual e o aprofundamento da missao, que inclui o despertar da vocacao nos outros.

Em julho de 2017, todos os instrutores do seminário foram enviados a Roma para um curso de cinco semanas pelos Legionários de Cristo.
Em julho de 2017, todos os instrutores do seminário foram enviados a Roma para um curso de cinco semanas pelos Legionários de Cristo.

Em Roma, toda a equipa de formadores teve a oportunidade de viver, trabalhar e rezar juntos. As vivencias e as experiencias dos participantes encorajam-nos a continuar a promover tais projetos em Madagascar no futuro. Um bispo em Madagascar relatou-nos o seguinte: “O Papa perguntou-me de onde vinha a nossa ajuda e a minha resposta foi: Aid to the Church in Need. E o Papa repetiu o que o Cardeal Filoni ja me tinha confirmado: Voces conseguem tanto com a ajuda deles, porque voces oram.”