Menu
Menu

Camarões em 2019

Projetos solicitados em 2019
J
149
Project
applications
K
91
Funded
projects
Projetos financiados em 2019
Head of Section

Assim como a Nigéria, o país vizinho Camarões também sofre com um número crescente de surtos de violência. Em 2019, os conflitos entre os separatistas das partes anglofônicas do país e o governo central francofônico aumentaram ainda mais. Até agora, 2.000 pessoas foram mortas e 400.000 estão em fuga. A Igreja Católica sofre principalmente com sequestros de padres e de profissionais da Igreja. Não é à toa que Camarões é um dos países que a ACN mais apoia na África.

Durante muito tempo, Camarões, país de 24 milhões de habitantes no centro da África, foi considerado relativamente estável comparado aos países vizinhos em crise. No entanto, o que começou em 2016 com manifestações contra a marginalização da população anglofônica transformou-se num conflito armado contínuo que está bloqueando cada vez mais a vida social e econômica.

Durante os surtos de violência, nossos padres provaram ser verdadeiros pastores guiando o povo.

Bispo Andrew Nkea Fuanya de Bamenda

Além disso, a violência do grupo terrorista Boko Haram espalhou-se da Nigéria para Camarões na fronteira do norte.

Bispo auxiliar M. Bibi no caminho para a nova paróquia em Ilung.
Bispo auxiliar M. Bibi no caminho para a nova paróquia em Ilung.

A Igreja Católica, da qual 38% dos camaroneses fazem parte, levantou novamente sua voz em 2019 contra a violência e as violações dos direitos humanos no país, que são cometidas tanto pelas forças de segurança do Estado quanto pelos separatistas. Com isso, a Igreja fica presa entre as frentes nos seus esforços pela paz e reconciliação e está sob ataque de ambos os lados.

Vítimas de um ataque de Boko Haram em Gagalari, no norte dos Camarões.
Vítimas de um ataque de Boko Haram em Gagalari, no norte dos Camarões.

A ACN não vai deixar a Igreja local sozinha nesta situação. A prioridade da nossa ajuda é a formação de futuros sacerdotes. Felizmente, há muitas vocações, mas a igreja local não tem os recursos necessários para pagar sua formação por conta própria.